COVID-19 – ENTREVISTA COM O INFECTOLOGISTA MAURÍCIO LLAGUNO

Ele explica que alguns estudos têm revelado que pacientes de covid-19 podem ter sequelas





O médico Maurício Manuel Llaguno trabalhou durante sete anos em São Joaquim da Barra e atualmente reside em Franca, com atuação no Hospital Regional e nas faculdades Unifran e Unifacef, como professor dos cursos de Medicina.

Especialista em infectologia, ele explica que alguns estudos têm revelado que pacientes de covid-19 podem ter sequelas, como a redução da capacidade pulmonar. Nesta entrevista concedida exclusivamente à INSIDE ele ressalta que, até o momento, a única forma de se combater com eficácia o vírus é com o isolamento e o distanciamento, além dos procedimentos corretos de higienização. Confira:

INSIDE - Quais são as melhores recomendações para evitar ser infectado?

Llaguno - Para evitar o contágio as medidas higiênico-sanitárias como lavar as mãos com detergente ou álcool gel são eficientes, mas falando mesmo de diminuição da transmissão o distanciamento social e isolamento associados à essas medidas são indispensáveis.

 

INSIDE - O álcool em gel substitui a água e o sabonete com eficácia?

Llaguno - Os vírus são agentes infecciosos de DNA ou RNA recoberto por uma camada de lipídios que facilmente é destruída com água e sabão, inclusive são mais eficientes do que álcool em gel. A recomendação é que o uso do álcool em gel aconteça apenas quando a pessoa não consiga realizar a lavagem completa das mãos por ser mais prático. Vale lembrar que tem que ser álcool em gel 70%. Concentrações menores não são eficientes, e maiores podem lesar a pele.


INSIDE - Vimos alguns artigos que afirmam que as máscaras de pano não são tão confiáveis como as descartáveis, pelo espaçamento das tramas, garantido espaço para o vírus passar. Isso é verdade?

Llaguno - A Sociedade Brasileira de Infectologia foi bem clara em relação ao uso de máscaras  de pano para população geral como uma barreira física e embora não sejam as mais seguras elas podem proteger de 50% a 70% , ajudando a diminuir a transmissão da doença na comunidade, porém não deve ser usada pelo individuo infectado pois pode transmitir o vírus ao tossir ou espirrar, pois a sua eficácia é menor. Ainda recomenda-se que máscaras cirúrgicas devam ser usadas especificamente para pacientes com sintomas respiratórios, profissionais de saúde e cuidadores de casos suspeitos ou confirmados de coronavirus. Há outras máscaras como a N95, PFF2 E PFF3 que embora blindem com maior segurança elas são indicadas para aqueles profissionais que vão a fazer o manejo da via aérea em pacientes positivos ou suspeitos devido à exposição maciça com gotículas. As recomendações em relação ao uso específico de máscaras se devem principalmente a falta das mesmas no mercado e por isso seu uso racional é indispensável para não ter falta nos hospitais.

 

INSIDE - Muito se fala sobre os cuidados para não contrair o coronavírus, mas temos poucas informações após a contaminação. Como é feito o tratamento?

Llaguno - Há vários estudos em relação à cloroquina e à hidroxicloroquina que são medicamentos amplamente utilizados para malária, lúpus e outras doenças. A dúvida que temos cientificamente falando é que ainda não existem estudos fortes e os efeitos adversos que esses medicamentos podem causar são vários. É por isso que no momento está sendo usado experimentalmente em casos graves, com resultados aparentemente promissores. Não deve ser usado em casos leves em que a maioria será resolvida apenas com sintomáticos.

Trump e Bolsonaro estão dispostos a usá-lo em larga escala e, sinceramente, sem opções, seu uso é uma ferramenta que pode nos ajudar. Também existem outros medicamentos em estudo, como a Ivermectina que é um antiparasitário, o Remdesivir, que está sendo estudado para o Ebola e Marburg, e o Favipiravir, um antiviral que mostrou resultados promissores em pacientes com quadros iniciais de covid -19 no Japão.  Ainda têm o plasma convalescente (plasma de pacientes que se curaram da doença) e um anticorpo monoclonal, o Tocilizumabe, que também tem demostrado bons resultados.




INSIDE - Após o tratamento o vírus some por completo? Quanto tempo isso pode demorar?

Llaguno - O tempo de incubação do vírus é de 3 a 14 dias, e tem pacientes totalmente assintomáticos, porém geralmente com 5 dias já se iniciam os sintomas que na grande maioria são leves como febre, tosse seca, espirros e mialgias, em alguns casos a doença pode ser moderada em que além dos sintomas descritos, vai apresentar falta de ar e, em alguns casos, pode ser grave apresentando insuficiência respiratória com necessidade de ventilação invasiva. O tempo para o clearence viral costuma ser de 14 a 21 dias após este período em que o paciente esteja assintomático e uma avaliação com exames, pode-se dizer que o paciente estaria curado.


INSIDE - Ele pode causar danos permanentes?

Llaguno - Tem sido demonstrado em alguns trabalhos que nos pacientes que se recuperaram da doença, houve redução da capacidade pulmonar em 20 ate 30% o que levaria a insuficiência respiratória leve, moderada ou até grave que pode ser de tipo persistente em que precisaram de medicações especificas de uso continuo para melhorar.


INSIDE - Em casos de gestação, o coronavírus apresenta risco para um bebê na barriga da mãe?

Llaguno - Ainda não temos estudos relevantes, mas gestantes são propensas a infecções respiratórias como acontece no H1N1 devido a uma depleção do sistema imune que normalmente acontece durante a gravidez.  No entanto, o desfecho materno-fetal na covid- 19 ainda é pouco conhecido. Os cuidados na prevenção na gestante são iguais que para população em geral, mas como as informações vão mudando a cada dia, ainda é cedo para ter uma ideia clara do que pode acontecer nesta população.

 

INSIDE – Quais as expectativas em relação às vacinas?

Llaguno - Já existem 54 vacinas em estudos, 52 em fase experimental e 2 já em fase clínica (estão sendo já testadas em humanos) na China e nos EUA. O maior problema é que levam tempo para verificar a eficácia e segurança dessas vacinas. Sem esses resultados, nenhuma delas poderia ser liberada rapidamente.